Tuesday, April 13, 2010

François Quesnay – Fisiocratas

François Quesnay nasceu em 1694. Descendente de proprietários de terras, François foi educado para ser médico e fez fortuna por meio de sua habilidade em medicina e cirurgia, e com isso foi elevado ao posto de médico da corte de Luís XV e Madame de Pompadour. Sua fé no poder curativo da natureza ele leva para suas especulações na área econômica como um preceito de confiança na natureza como capaz de reger também a economia por via das inclinações naturais do homem. Usou seus conhecimentos da área medica para fazer uma analogia do sistema circulatório ou sangüíneo com a economia. Imaginando numa representação gráfica a circulação das riquezas entre as classes econômicas na dinâmica de fluxos. Somente depois dos 60 anos de idade publicou seu primeiro livro no assunto. Com o apoio de Madame de Pompadour, atraiu um grupo de economistas que o viam como seu líder.

Numa reação à excessiva intervenção governamental, surgiu na Europa, na primeira metade do século XVIII, um movimento filosófico-cultural, dando origem à escola fisiocrata na França. Tendo como líder máximo: François Quesnay. Ela ficou conhecida pelo Tableau Economique, ("Quadro Económico"), que Quesnay publicou em 1758.

O sistema de Quesnay foi exposto no seu Tableau économique de 1758, que mostrava esquematicamente as relações entre as diferentes classes econômicas e setores da sociedade e o "fluxo de pagamentos" entre elas. Com o Tableau, Quesnay criou o conceito de equilíbrio econômico. É dele também o conceito de "capital fixo" e "capital circulante" e a noção de que o capital deve constituir uma reserva de riqueza a ser acumulada antes da produção; considerava que a poupança era potencialmente prejudicial porque, não aplicadas, podia perturbar o equilíbrio do fluxo de pagamentos.

O significado de Fisiocracia é "governo da natureza" ou "lei da natureza". A característica de vinculação à natureza tornava a agricultura em base econômica. Contrario aos chamados mercantilistas que colocavam ênfase na indústria e no comércio exterior.

Os fisiocratas acreditavam na existência de uma ordem natural e consideravam que o papel do Estado era o de defender a propriedade e a ordem natural. Afirmavam que a agricultura era a única fonte de riqueza, pelo que devia ser tributada apenas por um imposto único, e defendiam o comércio livre. Os princípios políticos do sistema de Quesnay baseavam-se na doutrina da Lei Natural, representava a ordem econômica de indicação divina. Os pontos fundamentais da doutrina eram o pensamento de que o governo não deveria interferir nas operações econômicas, deixando-as seguir livremente as leis econômicas naturais, acreditando que a terra é a fonte de toda riqueza.

Por volta de 1768 a escola fisiocrata estava em declínio. Em 1774, no entanto, pouco antes da morte de Quesnay, um fisiocrata, Anne-Robert-Jacques Turgot, Barão De L'aulne, ex-administrador da região de Limoges, foi designado Ministro de Administração de Luís XV e propôs um programa administrativo segundo as teses fisiocratas. Em Limoges, Turgot havia obtido grande sucesso com a aplicação de um programa fisiocrata. Como ministro, Turgot organizou um plano largamente fundado nas idéias fisiocratas que defendia, mas seu insucesso na política interna da corte permitiu que seus inimigos impossibilitassem a adoção de suas ideias. Turgot foi demitido em 1776 e os principais fisiocratas foram exilados.

Fontes

COBRA, R.Q. Vultos e episódios da Época Moderna. Disponível em http://bit.ly/cSmPUY

MACHADO, Luis. Conselho Federal de Economia. Viagem pela Economia - 2. Disponível em http://bit.ly/92v45y

MACHADO, Luis. Conselho Federal de Economia. Grandes Economistas V: Quesnay e os fisiocratas. Disponível em http://bit.ly/9m9gss

No comments:

Post a Comment

Post a Comment